29/09/2017

Cientistas conseguem eliminar doença genética do embrião humano



Uma equipe internacional de cientistas anunciou recentemente a implantação bem-sucedida de um método revolucionário e controverso de medicina preventiva. Eles conseguiram “apagar” de um embrião humano a mutação genética responsável por causar uma condição cardíaca comum, conhecida como cardiomiopatia hipertrófica, associada ao risco de morte súbita em crianças.

Os pesquisadores conseguiram eliminar a mutação de todas as células dos embriões, de modo que, se estes chegassem a virar pessoas, não transmitiriam a doença aos seus descendentes.

Embora ainda falte muito para esse método inovador ser implantado clinicamente, seus defensores afirmam que a edição de genes poderá evitar a transmissão de várias doenças. Seus detratores, no entanto, consideram que a modificação genética de embriões humanos suscita dilemas éticos e filosóficos que, se não forem abordados profundamente, poderão transformar a humanidade em uma sociedade totalitária, centrada na perfeição.

Jennifer Doudna, uma das criadoras dessa técnica, declarou em uma entrevista concedida ao jornal The New York Times: “Este é um daqueles momentos que nos fazem pensar que estamos diante de ‘um pequeno passo para o homem e um grande passo para a humanidade’”.  





la nación

seuhistory

Nenhum comentário:

Postar um comentário