25/09/2017

Rejeição a Moro e Bolsonaro dispara



Uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos traz dados surpreendentes, com o aumento exponencial da rejeição ao juiz Sérgio Moro e ao deputado Federal Jair Bolsonaro.

Realizada depois da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e também após o depoimento do ex-ministro Antonio Palocci, ela mostra que a rejeição ao juiz Sergio Moro, que conduz a Lava Jato, disparou. O índice dos que desaprovam seus métodos chega a 45%, contra apenas 48% que o aprovam, numa situação de empate técnico. E a mesma pesquisa mostra que o deputado Jair Bolsonaro (PSC), pré-candidato a presidente nas eleições do próximo ano, viu sua rejeição disparar de 56% para 63%.
Além disso, a parcela dos brasileiros que aprovam as ideias de Bolsonaro caiu de 21% para 19%. Sem um projeto que explique como tiraria o País da pior depressão econômica de sua história, Bolsonaro pode virar bala de festim da ultra direita.
Já a rejeição a Lula, condenado a nove anos e meio de prisão, caiu e é uma das menores entre todos os presidenciáveis. "O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve seu índice de desaprovação reduzido e sua taxa de aprovação ampliada em setembro na comparação com o mês anterior, segundo o mais recente Barômetro Político, pesquisa mensal de credibilidade realizada pelo instituto Ipsos. O porcentual da população que não concorda com a atuação de Lula caiu de 66% para 59%, enquanto a parcela da sociedade que o aprova subiu de 32% para 40%, a maior em dois anos de levantamento – apenas 1% não soube opinar", aponta reportagem de Adriana Ferraz e Gilberto Amendola, publicada no Estado de S. Paulo.
"Ao mesmo tempo, o juiz federal Sérgio Moro, que condenou Lula e é símbolo da Lava Jato, alcançou uma taxa de desaprovação de 45%, recorde desde setembro de 2015. As impressões da população sobre Lula, Moro e demais personalidades foram colhidas entre os dias 1.º e 14 deste mês, ou seja, antes e depois do depoimento de Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma Rousseff", apontam ainda os jornalistas.
Ou seja: cresce, na sociedade brasileira, a percepção de que ele é alvo de perseguição judicial, com objetivos políticos.
Segundo o também cientista político Cláudio Couto, da FGV-SP, o embate entre Lula e Moro parece estar criando uma vitimização do ex-presidente. “Além disso, a aprovação de Lula surfa na desaprovação do governo Temer”, afirmou Couto. A desaprovação a Temer alcançou 94%.
Confira, abaixo, os resultados:




conteúdo
Brasil 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário