10/10/2017

Este verme está a 18 milhões de anos sem sexo



Há uma espécie de verme (
Diploscapter pachys) que abandonou a reprodução sexuada – ou seja, não bagunça mais o lençol – há 18 milhões de anos. O que parece uma péssima ideia, mas não pelos motivos que você imagina.

Sexo é um negócio bom por duas razões frias, calculistas e biológicas. A primeira é que, lá na pré-história, indivíduos que sentiam mais prazer do que incômodo na hora da cópula tinham um ótimo motivo para transar de novo. E de novo.
E de novo, garantindo a perpetuação da espécie humana por aí. Seleção natural, simples assim.
A segunda é que, quando ‘fazemos bebê’ em dupla, nós misturamos nosso DNA ao do parceiro. Nasce uma coisa única, que não é nem um nem o outro, mas uma mistura inédita, com nariz, olhos e sistema imunológico únicos.  
Se o pai for suscetível a uma doença e a mãe não, a mãe aumenta as chances de que a criança nasça imune. O oposto também é verdade. Já se nós nos reproduzíssemos como as bactérias – criando clones de nós mesmos –, os bebês nasceriam idênticos aos pais. E um vírus qualquer que já tivesse aprendido a deixar o pai doente saberia exatamente como infectar o filho.
Colocando de outra forma: em longo prazo, a natureza, acostumada com nosso DNA previsível, nos venceria. A variedade genética criada pela reprodução sexuada é tão vantajosa que, além de nós, quase todos os animais – de minhocas a vacas – a adotaram e não voltaram atrás.  
Esse é um ponto de vista, claro. Outro, não tão óbvio, é que arranjar sexo (e, porque não, um mozão permanente) é um negócio difícil demais, que monopoliza nossa atenção e nos impede de gastar energia com outras coisas. É só pensar em quanto tempo da sua adolescência você passou com a cabeça nas nuvens porque beijou alguém na noite anterior. Não dá para evitar, é instinto.
Conclusão: o Diploscapter pachys é um caso raro de animal que mantém uma dose saudável de variedade genética sem torrar energia à toa, procurando parceiros por aí. E deu tão certo que ele existe há 18 milhões de anos – um feito raro, já que espécies assexuadas são mais propensas à extinção. Para entender como e por quê isso aconteceu, a equipe de Hélène Fradin, da Universidade de Nova York, resolveu analisar o genoma do bichinho. Os resultados foram publicados neste artigo científico.
“O fenômeno é significativo para entender a genética evolucionária porque ele vai contra a visão amplamente aceita de que a reprodução sexuada é necessária para eliminar mutações ruins e se adaptar a um ambiente em constante mudança”, explicou em comunicado David Fitch, coautor da pesquisa.
Calhou que a análise do DNA do D. pachys já começou meio estranha: ele só tem um par de cromossomos. Ter vários pares (como os nossos 23) permite que a gente dê uma boa misturada neles na hora de fabricar nossos óvulos e espermatozóides – o que aumenta, por tabela, a variabilidade genética da prole. Se uma espécie só tem um cromossomo, por outro lado, não há o que misturar.
Acontece que o par de cromossomos único do verme celibatário já é muito heterozigótico de fábrica (flashback para a aula de biologia: suponha que o gene ‘A’ te protege de uma doença, e o gene ‘a’, não. Cada cromossomo do par terá uma cópia desse gene, que pode ser ‘A’ ou ‘a’. De acordo com o DNA que você herdou de seus pais, você pode ser ‘AA’, ‘Aa’, ‘aa’ etc. Quem vier ‘Aa’, com um de cada, é chamado heterozigótico).  
Resumo da ópera: o D. pachys chegou a uma mistura de genes super variada e ideal para ele – e resolveu parar de transar para mantê-la assim, eficiente como é. Afinal, não se mexe em time que está ganhando. Mesmo que isso signifique 18 milhões de anos de abstinência, produzindo clones de si próprio.


Bruno Vaiano
super

Nenhum comentário:

Postar um comentário