17/02/2018

Saiba 10 distúrbios bizarros do sono

Nesse universo desconhecido de Morfeu, há ainda os distúrbios. Gente que fala dormindo, anda dormindo, para de respirar, está andando e, de repente, cataploft: dormiu.


Sempre tem aqueles, num grupo de amigos ou na família, que dormem até em pé. E, por outro lado, tem aqueles que ficam com o sono atrapalhado por qualquer coisa: cama diferente, falta do travesseirinho do coração, coberta fina ou grossa demais, o ventilador desligado, aquele barulho irritante de torneira pingando, outra pessoa dormindo na mesma cama, gente andando pela casa…

Dormir pode ser algo praticamente automático ou um verdadeiro suplício.
Mas, em todos os casos, ainda é um terreno com muitos caminhos desconhecidos para a ciência. Os motivos pelos quais dormimos (economia de energia, manutenção do corpo e consolidação da memória), por exemplo, só foram descobertos na metade do século passado. E, na década de 80, um grupo de pesquisadores da Universidade de Chicago, nos EUA, descobriu que a falta crônica de sono mata.
Nesse universo desconhecido de Morfeu, há ainda os distúrbios. Gente que fala dormindo, anda dormindo, para de respirar, está andando e, de repente, cataploft: dormiu. Hoje trazemos para você os distúrbios mais estranhos – e, em alguns casos, assustadores – que podem acontecer durante o sono. Se você se identificar com algum dos sintomas descritos, procure um médico.
10. Bruxismo
Um ranger de dentes nem sempre significa raiva. Se ele acontecer de noite e com a pessoa dormindo, é (só) bruxismo. O distúrbio pode ser causado por estresse, tensão, ansiedade, ou por arcadas dentárias mal alinhadas. Além de assustar, o bruxismo pode fazer a pessoa quebrar dentes (ai!), desgastar os ossos da mandíbula, ter dores de cabeça crônicas e outras consequências graves. Mas o tratamento é bem simples: normalmente, uma placa de acrílico que a pessoa usa para dormir (tipo um aparelho móvel) já garante uma boa noite de sono pra todo mundo.
9. Apneia do sono
dormino-minino
Só quem já dormiu ao lado de alguém com apneia sabe a aflição que dá quando a gente percebe que o outro simplesmente parou de respirar enquanto dormia! O problema é causado porque os músculos da parte traseira da garganta não deixam a passagem de ar aberta, mesmo com a pessoa se esforçando para respirar. Com isso, o sono fica todo “picado”, e os níveis de oxigênio no corpo baixam, o que pode causar hipertensão arterial, doença cardíaca e problemas de memória. Há várias formas de tratar a apneia. Uma delas é uma máscara, tipo um respirador para mergulho, que empurra o ar para dentro, ajudando a manter os dutos respiratórios abertos. Perder peso, evitar bebidas alcoólicas e parar de fumar também ajudam.
8. Falar dormindo
Pode acontecer com qualquer um. Você acorda e, sem saber por que, vira motivo de piada no café da manhã. É que você andou falando enquanto dormia, colega (ou fez xixi na cama. Nesse caso, pule para o tópico 6 desta lista). Apesar de relativamente inofensivo, falar dormindo pode te causar vergonha no dia seguinte. Mas fique tranquilo: o conteúdo da fala não é um produto da mente consciente ou racional. Assim, você pode jogar toda a culpa em cima do seu inconsciente.
7. Sonambulismo
Um amigo meu já se sentou no parapeito da janela sem grades de seu apartamento no sétimo andar e ficou lá, pendurado com as pernas para dentro e de costas para uma queda de aproximadamente 20 metros de altura. Ele estava dormindo, enquanto sua mulher, aterrorizada, tentava convencê-lo a sair dali (puxá-lo para dentro poderia ter um resultado catastrófico). Esse meu amigo é sonâmbulo, como cerca de 1% a 15% da população mundial.
menina-loca
O distúrbio é mais comum em crianças e em pessoas com déficit de sono. Como o sonâmbulo normalmente está em um sono profundo, costuma ser difícil acordá-lo, e ele provavelmente não vai se lembrar do episódio (meu amigo só acreditou no caso que sua mulher contou quando viu o trilho da janela amassado com o formato de sua bunda na manhã seguinte).
Acordar o sonâmbulo não é proibido – aliás, pode ser muito perigoso deixar que ele continue dormindo. Em todo o mundo, já foram registrados 69 casos de homicídio sonâmbulo, em que a pessoa mata outros enquanto dorme, sem ter consciência de absolutamente nada. Também é possível fazer sexo durante uma crise sonambulismo. Imagina só!
6. Xixi na cama
Não precisa ter vergonha. Todo mundo já fez xixi na cama em algum momento da vida – principalmente quando era criança. O controle da bexiga durante o sono é o último estágio do treinamento para aprendermos a usar o troninho, então faz parte o colchão ser “batizado” algumas vezes. Até os 7 anos, é considerado normal que a criança ainda deixe escapar um xixi ou outro na cama. Mas, se passar disso, tem que consultar um pediatra para ver o que há de errado.

5. Distúrbio de ciclo cicardiano
Animais e plantas têm uma espécie de relógio interno (o tal relógio biológico), que faz com que nosso ritmo acompanhe a rotação da Terra. É um ciclo de aproximadamente 24h, que nos faz dormir à noite e ficar acordados durante o dia. Em algumas pessoas, contudo, o ciclo cicardiano é superior a 24 horas, e isso vai causando atrasos em seu sono. Meia horinha aqui, meia horinha ali, e daqui a pouco a pessoa está com 100% de energia às 3h da manhã e morrendo de sono às 10h. O problema todo está em ter que trabalhar no horário comercial, como a maioria das pessoas tem.
O distúrbio é muito comum em deficientes visuais sem percepção de luz, pois seu núcleo supraquiasmático – parte do cérebro responsável pela organização do ciclo cicardiano – fica sem a informação que gera o estímulo que vai ditar o ritmo do organismo.
4. Narcolepsia
narcolep
Não é mentira: a pessoa está no meio de uma atividade – digamos, lavando as louças do almoço – quando, de repente, dorme. Isso não é resultado da feijoada do almoço, mas da narcolepsia. O distúrbio é causado pela ausência de hipocreatina – substância produzida no cérebro que faz outras substâncias responsáveis pelo estado de alerta funcionar – no hipotálamo. Atualmente, os tratamentos para narcolepsia são feitos com drogas que repõem os níveis de hipocreatina no organismo.
3. Síndrome das pernas inquietas
Uma sensação de coceira ou de dormência nas pernas faz a pessoa mexê-las sem parar, o dia inteiro, o tempo todo. A síndrome só é considerada um distúrbio do sono porque é durante a noite que o comichão fica maior e os movimentos das pernas ficam mais frenéticos. Ficar dando chutes e pontapés a noite inteira faz com que a pessoa durma mal – e quem dorme com ela também.
2. Distúrbio de comportamento do sono REM
Sabe aqueles sonhos que, quando você acorda de manhã, pode jurar que foram de verdade? Pode ser um episódio de distúrbio de comportamento do sono REM. O distúrbio é marcado por xingamentos, gritos, chutes e movimentos como se a pessoa estivesse no meio de uma briga. Se não for tratado, o problema pode piorar e ficar ainda mais violento (#corrão).
1. Morte súbita infantil
Não há um pai ou uma mãe que não fique aterrorizado com esse mal. A possibilidade – mesmo que remota – de seu bebê estar na cama e, na manhã seguinte, simplesmente não acordar faz com que centenas de pais e mães acordem inúmeras vezes por noite só para conferir se a criança está respirando.
A morte súbita infantil ainda não tem causas identificadas e o risco é maior para bebês do sexo masculino de 2 a 3 meses de vida. Pesquisas já indicam que a síndrome ocorre quando o corpo da criança tem dificuldade para coordenar as funções respiratórias, cardíacas e a temperatura. Normalmente acontece em bebês que nasceram com alguma malformação cerebral em uma das áreas responsáveis por essas funções.
Alguns fatores ambientais também estão relacionados à morte súbita infantil. Alguns deles são: o bebê dormir de bruços; camas não seguras, como colchões de água; superaquecimento por roupas, cobertores ou temperatura do quarto; mãe com idade inferior aos 20 anos; mãe fumante durante a gestação e exposição ao fumo passivo, dentre outros.

com Raquel Sodré
super

Nenhum comentário:

Postar um comentário