24/08/2018

Achada a primeira filha fruto do sexo entre duas espécies humanas diferentes


Há mais de 50.000 anos, uma mulher neandertal e um homem denisovano fizeram sexo e alguns meses depois ela deu à luz uma menina. Muitos séculos mais tarde, numa gruta siberiana junto à cordilheira de Altai, foram encontrados os ossos que deixou aquela menina híbrida, que teria 13 anos ao morrer. Há quase uma década se sabe que os neandertais, denisovanos e humanos modernos tiveram descendência em algumas circunstâncias, mas nunca havia sido encontrado um filho de um casal misto.
Nesta quarta-feira, 22, a revista Nature publica o genoma do primeiro destes humanos. Uma equipe liderada por Viviane Slon e Svante Pääbo, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva de Leipzig (Alemanha), analisou o DNA extraído de um fragmento de osso da jovem e concluiu que a mãe era neandertal e o pai denisovano. A primeira vincula a adolescente à linhagem de uma espécie muito conhecida, à qual se atribuem as primeiras expressões artísticas conhecidas e que deixaram seus ossos e ferramentas por toda a Europa. Seu pai a transforma na descendente de um grupo muito mais misterioso, conhecido só a partir das análises genéticas de pequenos fragmentos de ossos encontrados unicamente na gruta russa de Denisova.
Os genomas das duas espécies, sequenciados também por Pääbo e seus colaboradores, indicam que elas se separaram há mais de 390.000 anos. Entretanto, continuaram copulando e procriando de forma pontual nos territórios onde ambas as espécies compartilhavam fronteira. “Embora ainda não conheçamos a anatomia dos denisovanos [só foram achados fragmentos de ossos e dentes], acredito que, apesar de não serem iguais, anatomicamente não seriam muito diferentes”, explica Juan Luis Arsuaga, codiretor do sítio arqueológico espanhol de Atapuerca. “Os denisovanos seriam algo assim como a versão asiática dos neandertais”, acrescenta.
Desde que as análises genéticas permitiram reconstruir a vida sexual dos humanos ancestrais, comprovou-se que existiram relações ocasionais entre as espécies do gênero humano que compartilhavam o mundo há dezenas de milhares de anos. O genoma de Denisova 11, ou Denny, como foi chamada a garota, mostra que a relação de seus progenitores não era o primeiro cruzamento entre espécies da sua família. O pai também tinha neandertais entre seus antepassados.
As relações não se restringiram a essas duas espécies tão próximas. Os humanos modernos fizeram sexo com neandertais em repetidas ocasiões há pelo menos 100.000 anos, e hoje todos os habitantes do planeta, salvo os subsaarianos, temos em nosso genoma DNA daquela espécie extinta. O mesmo acontece com os denisovanos. Embora extintos há muito tempo, deixaram parte de seus genes entre habitantes da Ásia e Oceania, e têm também em seu genoma rastros de fornicação com uma espécie arcaica de humanos que se separou da linha evolutiva humana há mais de um milhão de anos.
Arsuaga tenta imaginar as circunstâncias em que aquelas relações entre espécies poderiam se dar, e recorda o que fazem outros mamíferos. “Que lobos e chacais, ou duas espécies de ursos troquem genes é relativamente frequente nas fronteiras dos territórios que ocupam”, aponta. Mas esses animais não costumam fundir seus grupos. “Não acredito que um grupo de neandertais e um de denisovanos se unisse para formar um só grupo, e aí se dessem esses cruzamentos”, explica o paleoantropólogo. Seria mais o caso de indivíduos isolados, excluídos do grupo e que não tinham acesso a fêmeas de sua própria espécie. “Um lobo marginal na Califórnia ou um que seja jovem pode se reproduzir com uma fêmea de coiote que encontrar disponível”, afirma.
A possível relação entre aquele denisovano marginalizado e uma neandertal que vinha do oeste ficou refletida na menina de Denisova, algo que, embora já se soubesse que as espécies tinham tido prole comum, é surpreendente. “Nunca pensei que teríamos a sorte de encontrar um descendente direto dos dois grupos”, afirma Slon. Pääbo também considera improvável a descoberta e imagina que, embora “talvez não tivessem muitas oportunidades de se encontrar, quando o fizeram devem ter copulado frequentemente, muito mais do que se pensava”.
Carles Lalueza, pesquisador do Instituto de Biologia Evolutiva de Barcelona, também acha “realmente surpreendente” que tenha sido encontrado um híbrido de primeira geração. “Isto poderia sugerir que os cruzamentos eram frequentes, mas não sabemos, em parte porque todos os denisovanos procedem da mesma cova”, afirma. Embora observe que “o realmente revolucionário seria encontrar outro denisovano em outro lugar, porque talvez estejamos estudando uma população marginal”.
As incógnitas em torno daquela etapa da humanidade, quando os humanos ainda não tinham imposto sua lei e pelo menos três espécies tremendamente inteligentes compartilhavam planeta e fluxos, são abundantes. No entanto, trabalhos como o publicado nesta quarta são uma amostra de que a ciência pode abrir janelas inesperadas para o passado. Em 2006, o pesquisador Bruce Lahn, da Universidade de Chicago, propôs que neandertais e humanos tinham intercambiado genes há 40.000 anos. Conforme contou então ao EL PAÍS, as revistas Science e Nature recusaram-se a publicar o trabalho porque consideravam que esse cruzamento era impossível. Em apenas uma década, aquela visão sobre o sexo no Pleistoceno e suas consequências ficou de pernas para o ar.

conteúdo
Daniel Mediavilla
El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário