11/09/2018

ATUALIZADO - Richa, Fernanda, Pepe e alto escalão de seu desgoverno são presos pelo GAECO em parceria com Lava Jato



O ex-governador do Paraná, Beto 'malvadeza' Richa e sua esposa Fernanda Richa foram presos pelo GAECO pela operação "Patrulha do campo" em parceria com a Lava Jato, agora pela manhã em Curitiba.

Richa é candidato a senador.
Esta é a 53° fase da Lava Jato, os presos foram levados para a Sede do GAECO e posteriormente irão para a SEDE da Polícia Federal em Curitiba.
Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete de Richa e delator das propinas recebidas por Richa, também foi preso pela Lava Jato.
Os mandados de prisão são temporários e tem validade de 05 dias.
Os candidatos ao governo do Paraná, Ratinho e Cida, ligados politicamente à Richa ainda não se manifestaram.
Ratinho foi seu secretário durante quase todo seus dois mandatos de governador e Cida foi sua vice no 2° mandato.
Batizada de 'piloto', a 53° operação da Lava Jato cumpre 33 mandatos de prisão, em Colombo está sendo cumprido mandado de busca e apreensão, o local ainda não foi divulgado.
Outros presos até o momento são o irmão de Beto, Pepe e o primo Luiz Abi Antoun, preso em Maringá.
Dos 33 mandados, 28 são de Curitiba.
Mandados judiciais da PF:
SALVADOR/BA
01 mandado de busca e apreensão
SÃO PAULO/SP
01 mandado de busca e apreensão
PARANÁ/PR
LUPIONÓPOLIS/PR
02 mandados de busca e apreensão
COLOMBO/PR
01 mandado de busca e apreensão
CURITIBA/PR
28 mandados de busca e apreensão
02 mandados de prisão preventiva
01 mandado de prisão temporária
As prisões de Richa e família são em vínculo das denúncias de desvios em licitações no programa Patrulha Rural. Operação foi batizada de “Rádio-Patrulha”. 
As empresas investigadas por fraude no programa são a Cotrans, Ouro Verde e J. Malucelli, que faz a manutenção de estradas rurais.

A Lava Jato, denominou esta fase de Operação Piloto (em alusão ao nome dado a Richa pela Odebrecht), atingindo os estados da Bahia, São Paulo e Paraná para investigar contratos da Odebrecht. Aproximadamente 180 Policiais Federais cumprem 36 ordens judicias nas cidades de Salvador, São Paulo, Lupianópolis (PR), Colombo (RMC) e Curitiba.
Entre os presos da Lava Jato estão: Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete de Beto Richa; Jorge Theodócio Atherino, empresário apontado como operador financeiro do ex-governador; e Tiago Correia Adriano Rocha, amigo de  Jorge.
O objetivo da investigação é a apuração de suposto pagamento milionário de vantagem indevida no ano de 2014, pelo Setor de Operações Estruturadas do GRUPO ODEBRECHT, em favor de agentes públicos e privados no Estado Paraná, em contrapartida ao possível direcionamento do processo licitatório para investimento na duplicação, manutenção e operação da rodovia estadual PR-323 na modalidade parceria público-privada.
As condutas investigadas podem configurar, em tese, os delitos de corrupção ativa e passiva, fraude à licitação e lavagem de dinheiro.
O nome dado à operação policial remete a codinome atribuído pelo GRUPO ODEBRECHT, em seus controles de repasses de pagamentos indevidos a investigado nesta operação policial.
Os presos serão conduzidos à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça.
Será concedida entrevista coletiva às 10:00 horas da manhã, no auditório da sede da Polícia Federal em Curitiba.

O governo do Paraná emitiu nota

“O Governo do Estado está colaborando com todas as investigações em curso. A governadora Cida Borghetti ressalta que não aceita nenhum tipo de desvio de conduta dos seus funcionários e que criou a Divisão de Combate à Corrupção para reforçar o combate à esse tipo de crime. Hoje a divisão esta fazendo buscas e apreensão em uma operação que combate fraudes a licitação
O Governo do Estado vai aguardar a divulgação de mais informações a respeito dessa fase da Operação Lava Jato para tomar outras providências”, diz a nota.

Mais informações a qualquer momento...

Nenhum comentário:

Postar um comentário