25/10/2018

Tropa de Elite 3: o capitão assume



"Bandido bom é bandido morto!" ou "Homem com farda preta entra na favela pra matar, nunca pra morrer." Ainda lembro como, há dez anos, o Brasil discutia sobre essas frases. As pessoas se perguntavam: "O capitão é um fascista?" É que o capitão Nascimento, o duvidoso personagem principal do filme Tropa de Elite, matava e torturava, aparentemente sem piedade. É permitido mostrar algo assim no cinema? Isso não é apologia à barbárie?

Na época, o diretor José Padilha ficou surpreso com o fato de o capitão ter sido alçado à condição de herói pelo público. Na realidade, a intenção era mostrar como era repugnante o culto da polícia ao assassinato e à tortura. Queria-se criar um anti-herói, e não um herói. A sutil ironia do cineasta intelectual saiu pela culatra naqueles tempos. Mas foi porque os espectadores não a entenderam? Ou foram os realizadores que, talvez, não entenderam o seu público?
De qualquer forma, os membros reais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) eram heróis naquele momento, invadindo as favelas do Rio para abrir caminho para as Unidades de Polícia Pacificadora, as UPPs. O Rio se encheu de esperança de, finalmente, romper com a espiral infinita de violência e contraviolência.
A esperança desapareceu. O capitão Nascimento também sofreu terrivelmente. A pressão do terror cotidiano se transformou numa lenta, porém indubitavelmente ruína psicológica. O atormentado macho alfa perdeu a mulher justamente para Marcelo Freixo, político esquerdista do Psol. Ou, melhor dizendo, para o personagem Fraga, inspirado em Freixo e que apareceu em Tropa de Elite 2. Nessa sequência, Nascimento lutava contra os policiais corruptos do Rio e os políticos civis por trás do sistema.
O final da história foi feliz. O capitão Nascimento reconheceu seus próprios limites e deixou o trabalho para os bons políticos liderados pelo esquerdista Fraga, que então limpou um estábulo cheio de políticos civis vilões e milicianos. Que ingenuidade, diríamos hoje.
É que, em seguida, veio a Lava Jato, também tematizada por Padilha na série O mecanismo, da Netflix. E, novamente, o público entendeu tudo errado. Segundo Padilha, o fato de ele ter colocado a famosa frase do ex-senador Romero Jucá, de "estancar a sangria" das investigações, na boca da figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não foi nada mais do que uma ferramenta de dramatização. De acordo com o criador da série, numa obra de ficção, ele teria a liberdade de deturpar os fatos históricos. OK, pensei, tomara que a série não seja vista por muita gente.
Enquanto isso, a Tropa de Padilha já virou cult. E tem uma continuação: Tropa de Elite 3. No próximo domingo, o capitão Nascimento disputará o segundo turno da eleição. Num vídeo, o ator que fez o papel do capitão no filme pede que seus concidadãos ainda ajam para evitar a vitória de Nascimento. Wagner Moura diz que o assunto é sério: "Agora, é a civilização contra a barbárie."
Durante décadas, o capitão pôde navegar pelos limiares de dor da democracia. Como deputado, exaltou torturadores, pediu 30 mil assassinatos de opositores, ofendeu colegas no Congresso, zombou de uma presidente torturada ao elogiar torturadores – sem que a democracia se defendesse.
Na noite do primeiro turno, ele difundiu impunemente a fake news de que a eleição tinha sido manipulada. Agora, chega a ameaçar seus opositores políticos de prisão, enquanto seu filho filosofa sobre o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF). As instituições agem como se essa fosse apenas mais uma dramatização. Mas faz tempo que o capitão não é mais um personagem de filme ou da televisão. Só que não há controle remoto para desligar o filme.

conteúdo
DW

Nenhum comentário:

Postar um comentário