05/06/2019

O 5G será 10 vezes mais rápido, mas ameaça a previsão do tempo



O 5G, que começou a ser implantado nos Estados Unidos e na Coreia do Sul, mas no Brasil não deve chegar antes de 2022, promete um mundo novo: melhores conexões, com transferência de dados 10 vezes mais rápidas que as atuais, e resposta em questão de milissegundos entre a ordem e sua execução. Não é uma melhora só para os usos pessoais: a robotização, as cidades inteligentes, a internet das coisas, a condução autônoma de veículos e as cirurgias remotas dependem da sua implantação. As aplicações são enormes.
Mas, como em todos os avanços, sempre há vítimas colaterais. Uma pesquisa publicada pela Nature alerta para a influência dessa tecnologia sobre os satélites que monitoram o clima. Além disso, o consumo elétrico e as decorrentes emissões poluentes crescerão.

O tempo


Os satélites que monitoram a concentração de vapor de água na atmosfera terrestre são cruciais para elaborar as previsões meteorológicas, e eles serão afetados pelas interferências causadas por aparelhos que operem com 5G. Os Estados Unidos começaram a atribuir a esse sistema as faixas entre os 24,25 e os 25,25 gigaherz. Os dispositivos que utilizarem a banda mais próxima dos 23,8 gigaherz, a mesma usada pelos medidores de vapor, causarão interferências que impedirão a detecção das concentrações e a elaboração confiável de prognósticos meteorológicos, aponta a pesquisa publicada na Nature.

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês) e a NASA pediram à Comissão Federal de Comunicações (FCC) que colabore para evitar o problema, que não afetará só os EUA, mas todas as agências meteorológicas que se alimentam desses dados. O Centro Europeu para Previsões Meteorológicas de Médio Prazo, com sede no Reino Unido, se alinhou aos seus colegas norte-americanos na reivindicação de acordos que preservem as frequências de seus equipamentos.
O diretor do Observatório 5G da Espanha, Federico Ruiz, explica que as interferências podem ocorrer nos satélites ou radares com frequências incluídas na banda a ser utilizada pela nova geração de telefonia, mas garante que isso é apenas questão de reordenação. “É como urbanizar de novo um território que já está cheio de casas. Se for preciso fazer uma rua, pode ser que afete o jardim de uma delas”, compara.

Para resolver conflitos como este, os reguladores mundiais se reunirão em outubro em Sharm el Sheikh (Egito) a fim de definir as frequências em que as companhias devem operar e os níveis aceitáveis de interferências.

Consumo elétrico e poluição


“Baixar uma série equivale ao consumo de uma antiga lâmpada de 60 watts acesa durante 20 horas”, alerta Ramón Rodríguez, diretor associado de Sustentabilidade e Energia na Arup Espanha, uma empresa de engenharia e consultoria de abrangência mundial que trabalha em projetos de sustentabilidade. Este maior consumo decorrente do enorme uso previsto das redes e subsequente aumento das emissões de poluentes é outro dos efeitos colaterais da nova telefonia.

Os técnicos da Arup explicam que os centros de processamento de dados consomem uma média de 200 terawatts-hora (TWh) por ano, o equivalente ao consumo de um país como a Espanha. Esta demanda representa 1% do total de eletricidade do mundo e gera 0,3% das emissões globais de carbono. Se forem contabilizados também todos os aparelhos e redes vinculados a esses centros de processamento, toda esta tecnologia necessita entre 5% e 9% do consumo mundial de eletricidade e eleva a 2% sua participação na poluição mundial, similar à gerada pelo transporte aéreo.

“Não é preciso ser alarmista, e sim olhar isso em perspectiva e remediar”, afirma Rodríguez. Segundo ele, há mecanismos para tornar os centros de dados mais eficientes, uma medida que, além disso, representa um retorno imediato no investimento. “Pode-se conseguir uma economia de 28% a 32% no consumo por gigabyte, e o correspondente em emissões poluentes”, assegura.



Uma instalação de vários computadores para garimpar a criptodivisa Ethereum.
Uma instalação de vários computadores para garimpar a criptodivisa Ethereum.


Este especialista cita exemplos como a melhora dos equipamentos de refrigeração dos complexos de dados e dos pontos intermediários para reduzir o consumo e aumentar a energia frigorífica gerada, ou melhorar a localização deles para situá-los nos espaços mais frios, ou redistribuir a carga dos servidores para ter um funcionando a 90%, em vez de três a 30%, ou chegar a acordos com companhias fornecedoras para assegurar a maior percentagem de energia renovável. E estas medidas, que já estão sendo aplicadas por grandes companhias, podem ser implementadas, acrescenta, sem reduzir as garantias de fornecimento, prioridade de qualquer empresa tecnológica frente a outras medidas.

Televisão


A Televisão Digital Terrestre (TDT) na Espanha também será afetada, já que deve deixar livre a banda dos 700 megaherz, importante para garantir a cobertura do 5G nas zonas mais isoladas. Os condomínios terão que readaptar as antenas, e os usuários precisarão resintonizar seus televisores.

Além disso, conforme já advertiu a Comissão Nacional dos Mercados e da Concorrência (CNMC), deixar esta banda para o 5G representará a perda de 30% do espectro usado pelos serviços do TDT.

Outros efeitos


A implantação da nova tecnologia também terá outros efeitos. O 5G exigirá aparelhos que sejam capazes de aproveitar o potencial desta tecnologia, por isso gerará um novo fluxo de equipamentos obsoletos que passarão à cadeia de resíduos.

Também o desenvolvimento destes novos dispositivos implica o aumento da produção dos materiais necessários, alguns deles com um grande impacto ambiental.

conteúdo
Raúl Limón
El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário