08/07/2019

A fábrica brasileira de novos políticos



O Brasil a descobriu em março. Com 25 anos, rosto de boa moça e sem levantar a voz, Tabata Amaral protagonizou um memorável duelo em uma comissão parlamentar com o então ministro da Educação, Ricardo Vélez. Um filósofo e ensaísta de 75 anos escolhido para o cargo por recomendação do guru ideológico do presidente Bolsonaro, que ensina filosofia pela Internet nos EUA. “Já passaram três meses, senhor ministro... não é possível que, depois de um trimestre [no cargo], o senhor apresente um PowerPoint com 2 ou 3 pontos para cada área de educação. Isso não é planejamento estratégico.

Isso é uma lista de desejos!” espetou-lhe a deputada. Como se fosse a mais adulta da sala, acrescentou: “Eu me pergunto se o senhor estudou para esta reunião”. Ela, que sempre foi aluna aplicada, evidentemente sim. Imediatamente, comentaristas e internautas a elevaram como a nova revelação política do Brasil. E ela o é. Uma Alexandria Ocasio Cortez brasileira. Mas Tabata –como é popularmente conhecida– também é uma experiência política.
Sua eleição como deputada federal em outubro foi a culminação de uma minuciosa estratégia para levar ao Congresso outro tipo de deputados, diferentes dos caciques e aparelhadores de sempre. Depois de passar por um teste de ética, ela e 132 outras pessoas que nunca tinham ocupado um cargo público, selecionadas entre 4.000 candidatos, foram treinadas durante seis meses em saúde, educação, gestão pública, economia, liderança... com o objetivo de chegar ao Congresso, segundo uma estratégia que o empresário Eduardo Mufarej criou e implementou através do grupo RenovaBR. Dez deles estão entre os 594 parlamentares eleitos em outubro para a Câmara e o Senado. Eles pertencem a vários partidos. De esquerda e de direita. O fenômeno dos patrocinados por grupos que dizem promover a renovação na tão odiada política brasileira soma 34 deputados e senadores, dos quais 16 são estreantes, como Tabata, a jovem que colocou em apuros o idoso ministro.
São grupos heterodoxos que nasceram ou cresceram no calor das investigações anticorrupção e dos protestos subsequentes. Alguns só formam novatos, outros também políticos, há aqueles que apelam a todas as ideologias com o extremismo como única linha vermelha. Há, inclusive, um focado na criação de novos nomes nas favelas. A Raps (Rede de Ação Política pela sustentabilidade), com 19 parlamentares, o grupo mais bem-sucedido, foi criada por Guilherme Leal, coproprietário da gigante de cosméticos verdes Natura e candidato a vice-presidente sem sucesso. O Ocupa Política promoveu quatro deputadas do esquerdista PSOL que contribuem para que o Congresso se pareça um pouquinho mais com o Brasil mestiço da rua. Renovação e honestidade resumem o mantra que compartilham.
A iniciativa que deu origem a Tabata se destaca porque a ideologia não faz parte de sua agenda. “O Renova não tem programa político, nossa missão é atrair gente talentosa para a política porque nestes 30 anos a sociedade brasileira lhe virou as costas. Precisamos de novas referências, não importa se são de esquerda ou de direita, para que as pessoas voltem a acreditem na política”, explica antes de um café expresso Mufarej, um empreendedor que se tornou rico no mundo financeiro. A própria Tabata não tinha partido, ela o buscou depois que embarcou nessa aventura. Escolheu um de esquerda com a qual teve atritos porque defende a necessidade de reformar as aposentadorias, o principal projeto do Governo Bolsonaro. “É gente que tem fé na política como uma missão, não como um negócio”, diz Mufarej. O RenovaBR, ao qual ele agora se dedicada em tempo integral, é financiado por doações de quase 500 pessoas, incluindo empresários em caráter pessoal e organizações filantrópicas listadas em seu portal. O orçamento é de cerca de 15 milhões de reais em dois anos.
O cientista político Fernando Limongi, da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas, argumenta que sob a fachada de renovação desses grupos muitas vezes está a velha política de sempre com um novo disfarce. “O que alguns empresários estão fazendo é driblar o sistema. Como não podem financiar campanhas (o Supremo Tribunal Federal proibiu doações de empresas em 2015), financiam indiretamente a criação de líderes políticos”, explica por telefone. Com um acréscimo, diz: aplicam à política um discurso empresarial, entregue à eficácia e aos resultados. “No final, acabam considerando que, se eles governassem, tudo seria ótimo”.
Tendo em vista o sucesso nas eleições gerais, agora trabalham para as próximas eleições municipais. Rodrigo Cobra, de 28 anos, dirige o processo do RenovaBR para escolher entre os 31.000 inscritos os mil que formarão –desta vez on-line– com a ideia de transformá-los em prefeitos e vereadores. “A honestidade é inegociável”, afirma. Outra chave é a sua história de vida. Que tenham enfrentado, e superado, desafios.
E aí Tabata se encaixa à perfeição. Como Barack Obama, o rapaz filho de um queniano ausente e uma senhora do Kansas. Ou Alexandria Ocasio-Cortez, uma garçonete de origem porto-riquenha. Criada na periferia de São Paulo, a deputada brasileira é filha de uma empregada doméstica e de um motorista de ônibus que morreu por causa das drogas, como ela mesma revelou em seu intenso debate com o ministro. Aliás, demitido pouco depois. Brilhante, seus êxitos nas Olimpíadas de matemática para crianças abriram-lhe as portas de uma escola particular e, com uma bolsa de estudos, foi para Harvard, onde estudou Astrofísica e Ciência Política. De volta para casa, se tornou ativista pela educação. Vários dos novatos que a acompanham no Congresso passaram por Yale, Georgetown ou Oxford.
Rodrigo Cobra detalha que, aprovados nas provas de conhecimentos gerais e descartados aqueles que mostram um perfil autoritário ou extremista, eles também são formados em empatia, liderança ou resistência... Os patrocinados não governam (por enquanto), mas legislam. E mantêm um relacionamento próximo com seus mentores. Assim conta uma deles. “Às vezes chega para eles um projeto de lei e me chamam para ver o que eu penso, se apresentam uma emenda...”, revela Ana Carla Abrão, sócia da empresa de consultoria Oliver Wyman e ex-secretária da Fazenda de Goiás, depois de gravar uma aula de gestão pública para os aspirantes às eleições municipais de 2020.


conteúdo
Naiara Galarraga Gortázar
São Paulo
El País 

Nenhum comentário:

Postar um comentário