30/08/2019

A África arde ainda mais do que a Amazônia



Em plena agitação mundial pelos incêndios na bacia do Amazonas, uma imagem de satélite divulgada há alguns dias pela NASA e analisada pela Weather Source revelou que na África Central havia mais incêndios do que no Brasil. Somente em Angola e no sul da República Democrática do Congo (RDC) havia mais de 10.000 fogos ativos, contra os 2.127 do país sul-americano.
Durante a reunião do G7 em Biarritz, o presidente francês, Emmanuel Macron, chegou a anunciar a possibilidade de desbloquear fundos para combater o fogo também no continente africano. De acordo com os especialistas, entretanto, não são fenômenos comparáveis. A maior parte dos incêndios na África, e isso acontece todos os anos, se deve a técnicas agrícolas ancestrais usadas pelo homem em atividades agrícolas e pastorais, são controlados e não afetam grandes massas florestais e sim pastos e terras de cultivo.

Imagem de satélite mostra o fogo que cruza por Angola, Zâmbia e o Congo, em 25 de agosto.
Imagem de satélite mostra o fogo que cruza por Angola, Zâmbia e o Congo, em 25 de agosto.NASA (Reuters)

“O uso do fogo para caçar, favorecer as melhores plantas à alimentação e à fibra, a limpeza para a agricultura e o pastoreio, facilitar as viagens e controlar as pragas é bem documentado, é tradicional e continua na atualidade em muitas parte da África”, afirma Peter Moore, especialista em gestão de incêndios do departamento de Florestas da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação). É o sistema preferido pela maior parte dos camponeses, especialmente em áreas onde têm pouca renda e a agricultura não é mecanizada, já que é mais econômico, pode acabar com certas pragas e doenças e as cinzas do matagal queimado trazem nutrientes aos futuros cultivos, ainda que a médio prazo e sem uma gestão adequada de seu alcance e intensidade aceleram a erosão do solo.
A imagem do satélite mostra que além de Angola e a RDC, Zâmbia, Moçambique e Madagascar também sofrem o mesmo fenômeno. A estimativa, entretanto, é que nove de cada dez incêndios na África não causam grandes danos, e sim mais benefícios à comunidade. Tosi Mpanu Mpanu, negociador congolês nas conferências sobre o clima das Nações Unidas, diz que “na Amazônia a floresta queima principalmente pela seca e a mudança climática. Mas na África Central isso se deve essencialmente a técnicas agrícolas”, informa a AFP.
Diante do incipiente alarme, o Governo de Angola quis se movimentar para alertar sobre as comparações entre o que acontece no país africano e o Brasil, que podem conduzir, afirma em um comunicado, “a uma dramatização da situação e à desinformação das mentes mais imprudentes”. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente angolano são fogos que os agricultores fazem todos os anos ao final da estação seca. “Nessa época do ano e em numerosas regiões de nosso país ocorrem incêndios por parte dos camponeses em fase de preparação das terras pela proximidade da estação das chuvas”, acrescenta o comunicado.
Evidentemente, também há riscos. Moore diz que, de acordo com os estudos mais recentes, todos os anos é queimada de 3% a 4% da superfície terrestre do Planeta. E ainda que a tendência seja decrescente na África (300 milhões de hectares queimados em 2016 contra 340 milhões em 2003), se trata de um dos continentes mais afetados. 10% dos incêndios, calcula-se, fogem do controle e são responsáveis por 90% da superfície que queima. “Esses são os que causam a perda de vidas, danos materiais e impacto ambiental. São incontroláveis até a mudança do clima e das condições do combustível que os faz arder. Em muitos países da África a capacidade de manejo dos incêndios não está bem desenvolvida”, acrescenta Moore. Na origem costumam estar os acidentes, falta de compreensão do risco, práticas ruins e descuidos. Em 2016 a superfície queimada foi seis vezes o tamanho de Minas Gerais.
Os coletivos defensores do Meio Ambiente alertam que essa técnica de limpeza do terreno e queima provoca um grave desmatamento e perda da biodiversidade, assim como a erosão da terra. O desmatamento é real, ainda que a causa principal não seja a queima e sim o corte. De acordo com afirmações de Mpanu Mpanu à AFP, “a cobertura vegetal da RDC passou de 67% a 54% de seu território entre 2003 e 2018”. O próprio presidente Tshisekedi mencionou a perda de árvores na bacia do rio Congo, a segunda maior massa florestal do Planeta, em seu discurso de posse. Em um país em que somente 9% da população tem acesso à eletricidade, a madeira é uma importante fonte de energia e se permite o corte artesanal, que algumas vezes esconde os interesses de empresas madeireiras.

Emissões à atmosfera

Outro aspecto dos incêndios tem a ver com suas emissões de gases nocivos à atmosfera. “Quando se usa o fogo para transformar áreas florestais em terras abertas há uma adição líquida de gases de efeito estufa à atmosfera. Combustíveis que não costumam ser queimados, como turfeiras e selvas tropicais, contribuem de maneira intensa a tais emissões”, diz Moore. Quando se queima um terreno e a vegetação se regenera com o tempo, entretanto, essas plantas os eliminam da atmosfera à medida que crescem.
A FAO propõe melhorar as habilidades das comunidades na gestão de incêndios a partir de suas próprias tradições e conhecimentos, levando em consideração o impacto positivo que tem a maioria dos fogos controlados. Ao mesmo tempo, recomenda melhorar suas capacidades para a extinção e a compreensão dos riscos. “Os incêndios florestais danosos”, como os atuais da Amazônia, “não são uma emergência sem precedentes. A combinação de políticas, planejamento e gestão defasadas criaram um contexto no qual os incêndios geram danos e perdas”, conclui Moore.

conteúdo
José Naranjo
Nuakchot
El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário