13/09/2019

Filha de Brigitte Macron lança ‘MeToo’ contra Jair Bolsonaro



A França não é os Estados Unidos e, embora a primeira-dama tenha mais presença –e atenção midiática– do que os cônjuges de outros mandatários europeus, o resto da família do presidente costuma ficar num discreto segundo plano. Isso também aconteceu largamente durante os dois anos e meio que Emmanuel Macron, de 41 anos, está no Palácio do Eliseu. A família de sua esposa Brigitte Macron, de 66 anos, que tem três filhos de seu primeiro casamento cujas idades são próximas à do presidente, raramente é mostrada em público.
Agora, no entanto, Tiphaine Auzière, a filha mais nova da primeira-dama, deu um passo em público. O motivo: os ataques machistas que sua mãe sofre há semanas por parte de membros do Governo brasileiro. A advogada disse “basta” e iniciou uma campanha nas redes sociais para denunciar atos de misoginia, como os sofridos por sua mãe com a hashtag #balancetonmiso, “denuncie seu misógino”.
“Estamos em 2019 e há líderes políticos que atacam uma mulher pública por seu físico”, explica Auzière em um curto vídeo que postou em suas redes sociais e no qual chama para colocar –e denunciar– a questão da misoginia nas discussões “em família, nas empresas e nas urnas”. Enquanto fala, a filha de Brigitte Macron mostra várias notícias sobre os insultos do Governo de Jair Bolsonaro à mãe. Estes começaram depois que Macron criticou o presidente brasileiro por sua resposta aos devastadores incêndios na Amazônia e ameaçou vetar o acordo da União Europeia com o Mercosul. O confronto atingiu o auge durante a cúpula do G7 que a França organizou em Biarritz no fim de agosto e na qual Macron incluiu a Amazônia na agenda. Um detalhe que desagradou Bolsonaro, que, entre outros, começou a atacar Brigitte Macron.
O presidente brasileiro fez um comentário em tom jocoso em uma mensagem no Facebook em que um usuário comparava desfavoravelmente a primeira-dama francesa e a brasileira, Michelle Bolsonaro, de 37 anos. Macron não deixou passar a ofensa e, em uma entrevista coletiva em Biarritz, lamentou a situação e manifestou sua esperança de que os brasileiros consigam ter um presidente que “esteja à altura”.
A atitude de Bolsonaro e a reação da França fez que muitos brasileiros, inclusive figuras conhecidas, como o escritor Paulo Coelho, pedissem desculpas à primeira-dama francesa com a hashtag #DesculpaBrigitte. Em um raro gesto, Brigitte Macron aproveitou um evento no fim de agosto para responder com um “muito obrigada”. Mesmo assim, os insultos continuaram. “O presidente [Bolsonaro] disse isso e é a verdade. Essa mulher é feia mesmo”, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, na quinta-feira.
Pouco depois, Tiphaine Auzière respondeu com seu ataque à misoginia nas redes sociais, que faz eco da versão francesa do movimento MeToo de 2017, quando uma jornalista dessa nacionalidade convidou as mulheres a denunciar casos de abusos sexuais sofridos com a hashtag #balancetonporc (“denuncie seu porco”). O vídeo já foi visto por quase meio milhão de internautas.
A advogada, de 35 anos, é a mais midiática dos filhos que Brigitte Macron teve com o primeiro marido, o banqueiro André-Louis Auzière. A primeira-dama ainda estava casada com ele quando conheceu quem se tornaria seu segundo marido. Foi em 1993, quando era professora de francês e teatro em um colégio jesuíta em Amiens e Emmanuel Macron um de seus alunos, da mesma idade e colega de classe de sua filha do meio, Laurence, apenas sete anos mais velha que Tiphaine.
Embora seus irmãos mais velhos também tenham aparecido ocasionalmente e apoiado desde o início o candidato Macron, Tiphaine tem sido o rosto mais visível da primeira família da hoje primeira-dama. Casada e mãe de dois filhos, fez campanha ativamente para Emmanuel Macron e foi fotografada várias vezes ao lado do casal presidencial nesses anos no Eliseu, mas a defesa de sua mãe no Twitter é provavelmente o gesto mais forte até agora.

conteúdo
Silvia Ayusio
Paris
El País

Nenhum comentário:

Postar um comentário