08/10/2019

Manchas de óleo atingem todos os estados do Nordeste



Apesar do tempo ensolarado, muitos moradores de Aracaju abriram mão de passar o fim de semana na praia, pois nos últimos dias manchas de óleo poluíram as praias da Orla de Atalaia. Antes de chegar à capital sergipana, as manchas misteriosas haviam contaminado praias do Maranhão até Alagoas. E no fim de semana atingiram também praias da Bahia, afetando, assim, todos os nove estados da região Nordeste.

"Mais manchas pretas chegando à areia", alertava o pescador amador Marcos, no domingo de manhã, os banhistas em Atalaia. Durante o sábado, equipes do Ibama e da cidade de Aracaju haviam limpado a praia dos aglomerados viscosos, mas com a marés vieram novas manchas.
"Tenho 52 anos e moro aqui há décadas, mas nunca vi um histórico desse. A gente já viu algumas bolhas de petróleo que vem das perfurações. Mas desta natureza, nunca tinha visto isso aqui", explica Marcos, em referência às inúmeras plataformas marítimas de petróleo que marcam o horizonte de Aracaju.
Durante todo o domingo, cerca de 150 funcionários limparam as praias da Orla de Atalaia. "É um evento nacional, e a gente sabia que ia chegar à costa sergipana", afirmou Paulo Amilcar, superintendente do Ibama em Sergipe e coordenador de operações locais, em entrevista à DW Brasil.
Desde o início de setembro, manchas de óleo apareceram em mais de 100 praias do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas. De helicóptero, o Ibama monitorou as manchas e projetou sua trajetória rumo ao sul.
"Desde 24 de setembro, quando as primeiras manchas apareceram em Sergipe, o Ibama estava monitorando a situação no estado", segundo Amilcar. "Mas na quinta-feira [03/10], o negócio saiu do controle completamente. Praias que estavam limpas ficaram sujas em todo o litoral. Agora, não tem previsibilidade. E se continuar como está, teremos que decretar situação de emergência no estado."
Apenas poucas horas depois da entrevista de Amilcar à DW, o governo sergipano declarou o estado de emergência. Atualmente, Sergipe é considerado o estado mais afetado pelas misteriosas manchas de petróleo.
O óleo tem causado estragos no litoral sergipano. Na noite de quinta para sexta-feira, a maré poluiu a costa norte do estado, afetando em particular as praias da Reserva Biológica Santa Isabel, no município de Pirambu, cerca de 50 quilômetros ao norte de Aracaju. A região, que vive basicamente do turismo, amanheceu com as praias repletas de manchas de petróleo.
Em 30 anos, nunca houve nada parecido, segundo Adaílton, proprietário de um quiosque na praia de Pirambu, que estava coberta com pequenas manchas de óleo. A poluição misteriosa tem afugentado a clientela, reclama: "Não tem como não afetar. As pessoas pisam na areia, e depois esse negócio não sai do pé." Nos últimos dias, o volume de negócios de seu quiosque caiu pela metade. "Os clientes me ligam para desfazer a reserva. E vão para outras praias. É prejuízo mesmo." Ele não conseguirá sobreviver financeiramente muito tempo essa situação, comenta.

Com pás, funcionários trabalham na limpeza de pedaços de óleo na praia de Pirambu, no litoral do Sergipe Com pás, funcionários trabalham na limpeza de pedaços de óleo na praia de Pirambu, no litoral norte do Sergipe
O pescador Sivaldo também tem motivos para reclamar: "As pessoas não comem o peixe assim. Se veem que tem óleo, não comem. Tem que soltar o bicho, se ainda estiver vivo", disse. Normalmente, Sivaldo costuma pescar em mar aberto. Mas desde que o mar está repleto de manchas de óleo, tem puxado a rede de pesca pelas ondas na praia. Mas agora a rede de pesca também está suja de petróleo. "Nunca vi um negócio destes na minha vida."
Em perigo estão também as tartarugas na Reserva Biológica Santa Isabel, em Pirambu. Com sede no local, o Projeto Tamar monitora mais de 50 quilômetros de litoral até a foz do Rio São Francisco. As manchas chegaram justamente no período reprodutivo das tartarugas-olivas, as menores entre as tartarugas marinhas no Brasil. No domingo, o Projeto Tamar comunicou que suspendeu a soltura dos filhotes em Pirambu.
Com a chegada das manchas mais para o sul do litoral nordestino, outras áreas reprodutivas das tartarugas são afetadas. No sábado, funcionários do Projeto Tamar em Mangue Seco – a primeira praia baiana na divisa com Sergipe – encontraram o primeiro espécime morto devido ao óleo.
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou a Aracaju nesta segunda-feira para acompanhar de perto a situação. No sábado, o presidente Jair Bolsonaro determinou que o Ministério da Justiça, por meio da Polícia Federal (PF) e o Ministério da Defesa, por meio da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, investiguem as manchas, junto com técnicos do Ministério do Meio Ambiente, ou seja, o Ibama e o ICMBio.
Bolsonaro sinalizou urgência: ele quer ver resultados em 48 horas. A repentina pressa do governo surpreende, pois durante todo um mês ele não fez nada. E, assim, a boataria está a todo vapor. A Petrobras informou ter analisado o óleo e descartado que provenha de suas operações. Mas, devido às inúmeras plataformas da empresa no litoral sergipano, a associação com as perfurações no alto-mar aparentam ser inevitáveis.
Há quem suspeite de uma ligação com o acidente na refinaria Abreu e Lima, localizada no município de Ipujuca, ao sul de Recife. No fim de agosto, um vazamento atingiu uma área de 4,5 hectares e causou a morte de animais e danos ambientais. Segundo a Petrobras, contudo, o óleo vazado não atingiu o mar. Além disso, o óleo que vazou da refinaria seria mais leve que o encontrado nas praias.
Adriano Pires, sócio fundador e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), também descartou uma conexão entre o vazamento em Abreu e Lima e as manchas nas praias. "Isso foi em agosto, há muito tempo", disse o economista em entrevista à DW.
Segundo Pires, a substância apresenta propriedades típicas do petróleo venezuelano, mas ele diz não acreditar num acidente numa plataforma venezuelana, pois nesse caso as costas mais ao norte da América do Sul teriam sido poluídas.
No entanto o petróleo pode ter vazado de um navio petroleiro de passagem na movimentada rota entre o sul do Caribe e a Ásia, que corre ao longo da costa do Nordeste. "Um navio voltando de uma exportação venezuelana limpou o tanque na área e despejou a carga no oceano antes de carregar a próxima. Sendo assim, o navio estaria voltando para a Venezuela", é uma das possíveis explicações, de acordo com Pires.
Na praia em Aracaju, o pescador amador Marcos afirmou acreditar numa explicação semelhante. "Não é petróleo novo. Isso provavelmente é de limpeza de navios. Pois o petróleo, quando novo, é oleoso. Ele não é um plástico, como este que está chegando aqui", analisa, amassando um punhado da substância viscosa.

conteúdo
DW

Nenhum comentário:

Postar um comentário