13/11/2019

Arábia Saudita rotula feminismo como "extremismo"



Um vídeo promocional da Arábia Saudita publicado pela agência de segurança estatal classificou o feminismo, a homossexualidade e o ateísmo como "ideias extremistas". A publicação foi postada no final de semana numa conta oficial do reino ultraconservador.

"Não se esqueça que o excesso de qualquer coisa à custa da pátria é considerado extremismo", ressaltou o vídeo.
A publicação afirmou ainda que "todas as formas de extremismo e perversão são inaceitáveis".
O vídeo foi publicado em meio à tentativa do governo de atrair investimentos estrangeiros para transformar a economia do país, dependente de petróleo. Para isso, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman lançou medidas para abrir a sociedade, começou a emitir vistos para turistas e pretende promover no exterior a imagem de um país mais tolerante.
Salman afrouxou algumas restrições sociais, como a proibição de mulheres de dirigir e reabriu os cinemas. Apesar das mudanças, dezenas de dissidentes e críticos foram presos recentemente, incluindo clérigos, intelectuais e ativistas.
Pouco antes do fim da proibição de mulheres dirigirem, em junho do ano passado, várias ativistas dos direitos das mulheres foram presas. As detidas foram acusadas de prejudicar interesses sauditas e de oferecer apoio a elementos hostis no exterior. Até então, a Arábia Saudita era o único país do mundo que proibia mulheres de possuir uma carteira de habilitação.
A legislação saudita prevê a pena de prisão para a participação em grupos considerados extremistas pelo governo. A homossexualidade e o ateísmo também são ilegais e puníveis com pena de morte no reino ultraconservador.

conteúdo
DW

Nenhum comentário:

Postar um comentário