30/03/2020

PANDEMIA CORONAVÍRUS - Até o jornal americano "The Washington Post" pede impeachment de Bolsonaro.



O descaso, a sandice, a demência e a tendência genocida de Bolsonaro chegou ao jornal americano "The Washington Post", um dos mais influentes do mundo e sediado na capital dos Estados Unidos, Washington.

Em matéria deste domingo (29), o jornal pediu o impeachment de Bolsonaro, que é totalmente incapaz de governar, antes que a pandemia de coronavírus extermine os brasileiros em números que podem chegar aos milhões...
Clique aqui e veja a matéria em inglês ou leia abaixo em português:
Enquanto o novo coronavírus se espalha no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro demonstrou uma incapacidade alarmante de governar o país, minando a pandemia e os esforços para proteger e salvar vidas. E como resultado de seu comportamento irresponsável e divisivo, ele jogou o Brasil em uma profunda crise. Ele deve ser removido do cargo.

Os brasileiros estão sentindo muita ansiedade e não conseguem mais suportar essa falta de liderança. Durante semanas, eles protestaram de suas casas batendo panelas e gritando "Bolsonaro fora" de suas janelas. O apoio ao seu impeachment aumentou drasticamente, de acordo com o Atlas Politico, com quase metade da população apoiando sua remoção.

Nos últimos dias, Bolsonaro contradiz seus próprios especialistas em saúde, chamando o auto-isolamento de "confinamento em massa" e a covid-19 como "um pouco de frio". Ele participou de um comício e apertou a mão dos apoiadores em 15 de março, recebendo críticas por incentivar grandes reuniões. Ele também disse a seus seguidores, por meio de mídias sociais e canais oficiais, para assistir a uma manifestação em 25 de março em apoio à sua administração. E ele ignorou as recomendações para praticar o distanciamento social depois que membros de sua própria equipe deram positivo para o vírus.
É claro que Bolsonaro abandonou seu dever de proteger a população. Ele acha que o vírus mortal é um truque da mídia. "Eles espalham a sensação de pavor", disse ele em 24 de março. "O cenário perfeito a ser usado pela mídia para espalhar a histeria".

A disseminação do coronavírus pode colapsar o sistema público de saúde no Brasil. Felizmente, profissionais da saúde e governos locais e estaduais estão se mobilizando para responder aos casos e pedindo às pessoas que fiquem em casa, desafiando abertamente um presidente que já pede um retorno à "normalidade" e ao trabalho.

Membros do Congresso Nacional de diferentes partidos começaram a pedir impeachment. Mas não há consenso entre a oposição. Alguns, citando a constituição, argumentam a favor da interdição em saúde mental do presidente; outros dizem que o Congresso deveria invocar a provisão de proteção social. Alguns simplesmente querem Bolsonaro implodir, deixando-o "sangrar" até a próxima eleição, em 2022.

Em 17 de março, alguns membros do Congresso apresentaram formalmente um pedido de impeachment assinado por cientistas, artistas, ativistas e intelectuais públicos. Cidadãos e sociedade civil organizada ficaram atrás da petição de impeachment. Desde então, quase 1 milhão de pessoas o assinaram. É claro que, além de qualquer cálculo político, permitir que Bolsonaro permaneça no poder é insustentável.

Desde sua eleição, Bolsonaro liderou o Brasil seguindo uma cartilha fascista, atacando a imprensa e os povos indígenas, corroendo as proteções aos direitos humanos e oferecendo desculpas pela ditadura e tortura. Ele passou da quebra de decoro para abuso de poder e ataques contra a constituição. Sua má gestão do coronavírus só intensificou seus crimes de irresponsabilidade.

O impeachment pode ser um processo político e jurídico difícil. (Os brasileiros há muito tempo viveram um processo politizado e injusto contra Dilma Rousseff, que chegou a um golpe.) Mas o caso contra Bolsonaro é à prova de balas. Hoje ele representa uma ameaça existencial. Deve haver profunda articulação política e legitimidade social para realizar sua remoção, e uma transição deve ser cuidadosamente planejada.

Os brasileiros agora estão rejeitando a legitimidade de Bolsonaro. Nossos líderes políticos devem avançar e votar para seu impeachment.

com conteúdo
Rosana Pinheiro Machado
The Washington Post 

Nenhum comentário:

Postar um comentário