31/05/2020

RICO PODE? - Empresário chama policial de b@sta, fdp, M#rda, lixo, agride esposa e está livre



Alguns 'ricos' no Brasil acham que podem tudo...

Imagine a situação, a Polícia Militar é acionada por uma mulher, mãe de uma pequena criança, que está sendo agredida pelo esposo, a Polícia se dirige até o local que é o luxuoso Alphaville (condomínio de alto luxo em São Paulo), o que acontece?
O marido, empresário do ramo de joalherias, Ivan Storel, recebeu os Policiais aos berros e insultos, com palavras como “você é um bosta, um merda de um PM”, “quero que você se foda, seu lixo do caralho”, “vou te chutar na cara”, “seu gordo filha da puta”, entre uma enorme variedade de xingamentos e ameaças.


Qual seria o desfecho dessa situação? Depende das circunstâncias, da “cara do freguês”, da cor da sua pele ou do local da ocorrência?
Nesta história, o fim foi que o autor das ameaças foi liberado após uma breve condução à delegacia.
Talvez porque, entre as palavras proferidas pelo agressor, foram ditas as frases como “eu ganho 300 mil reais por mês”, “você não me conhece”, “você pode ser macho na periferia, mas aqui você é um bosta. Aqui é Alphaville”.
Qual seria o desfecho dessa situação? Depende das circunstâncias, da “cara do freguês”, da cor da sua pele ou do local da ocorrência?
Nesta história, o fim foi que o autor das ameaças foi liberado após uma breve condução à delegacia. Talvez porque, entre as palavras proferidas pelo agressor, foram ditas as frases como “eu ganho 300 mil reais por mês”, “você não me conhece”, “você pode ser macho na periferia, mas aqui você é um bosta. Aqui é Alphaville”.
Numa favela ou bairro humilde, no mínimo, isso jamais ocorreria, mas estamos falando da elite do país...
Você é um bosta. É um merda de um PM que ganha mil reais por mês, eu ganho 300 mil reais por mês. Quero que você se foda, seu lixo do caralho! Você não me conhece. Você pode ser macho na periferia, mas aqui você é um bosta. Aqui é Alphaville, mano! Não pisa na minha calçada, não pisa na minha rua. Eu vou te chutar na cara, filho da puta”, gritava Ivan.
Os policiais se mantiveram tranquilos. Ivan só foi conduzido à delegacia após a chegada do reforço policial. Antes, ele, ao telefone, pedia ajuda de alguém, solicitando que o Secretário de Segurança fosse levado à sua casa, para impedir que ele fosse preso.

Segundo informações do site Ponte.org, ao chegar à delegacia, a mulher de Ivan não quis dar continuidade ao registro da ocorrência. Entretanto, os policiais vítimas das ofensas registraram um boletim contra o homem.
Na delegacia, Ivan Storel foi acometido de uma conveniente amnésia e afirmou que não se lembrava de nada.
E continua livre, leve e solto...
Esse é o nosso Brasil...

Nenhum comentário:

Postar um comentário